ANÁTEMA
substantivo masculino

  1. 1.

    rel sentença de maldição que expulsa da Igreja; excomunhão.

    “proferiu-se por fim o a. contra o herege”

  2. 2.

    p.ext. reprovação enérgica; condenação, repreensão, maldição, execração.

    “lançar o a. sobre o inimigo”

  3. 3.

    adjetivo e substantivo de dois gêneros

    que ou aquele que foi atingido por anátema; excomungado.

    “um a. não entra na casa de Deus”

  4. 4.

    adjetivo e substantivo de dois gêneros

    p.ext. que ou aquele que está à margem da sociedade; maldito, execrado.

    “todo traficante é a.”

 (Google.com/significados)

(a) Ela é gordamas é bonita!

(b) É negro, mas é tão inteligente!

(c) É mulher, mas dirige muito bem!

(d) Sou pobre, mas sou limpinho!

(e) É evangélico, mas é ladrão! ou É Pastor, mas rouba!

(f) É homem, mas cozinha bem!

(g) É macumbeiro, mas tem um coração imenso!

(h) É baiano, mas é trabalhador!

(i) “Mora em uma casinhamas é tudo bem arrumadinho!”

[…]

(z) “É pobre, mas usa roupa de marca!”

(z.1) “É negra, mas é linda!” ou “É negro, mas é lindo!”

[…]

(z.1001) É homem, mas é tão delicado com as coisas! ou É mulher, mas é tão bruta!

[…]

(infinito…) abcd, mas xyz!

O uso de expressões que, apesar de curtíssimas, carregam um sentido sócio-cultural negativo e preconceituoso é cada vez mais recorrente. Poderíamos pensar que isso está aumentando nos dias atuais, e que a internet mostra-se como culpada por estimular essa prática, no entanto isso não faz muito sentido. Uma vez que eles estão presente no seio familiar, nas escolas, nas instituições religiosas e não-religiosas, na mídia e em praticamente todos os lugares há muito tempo, notamos que é um mal enraizado na mente de nossa sociedade. Quem já se deu o trabalho de assistir ao programa “Sai de baixo”, sabe que muito antes da existência das redes sociais que hoje dominam o mundo e as pessoas, já se utilizavam de frases como “Sou pobre, mas sou limpinha!”. Está vendo esse “mas“? Então, eu o estou chamando de um anátema. Considerando as definições acima, fica claro que estou classificando essa expressão como uma maldição – desde que ela esteja colocada na fala como uma declaração de preconceito ou como uma tentativa de reforçar determinados estereótipos. Vale, inclusive, adaptar uma frase bem conhecida: Onde estiverem dois ou três humanos reunidos, ali estará um anátema chamado mas!”.

mas  também tem um outro significado que, por si, ajuda a reforçar o sentido de “maldição” ao qual me refiro. De acordo com a gramática normativa, “mas” é uma conjunção que expressa fundamentalmente: (1) oposição, (2) ressalva ou (3) restrição. E, convenhamos, para que utilizar uma conjunção dessa senão para negar o ou advertir algo dito anteriormente dentro da mesma frase ou período?

Nesse sentido, não restam muitas dúvidas de que, quando eu uso o “mas” da maneira que estão nas frases iniciais (de a ao infinito), estou sendo uma pessoa arrogante que precisa atenuar o sentido da fala para dizer aquilo que de fato está objetivo e concreto no meu “coração”… ou seja, é uma declaração de que as coisas não se combinam. Como assim? Observe: Ao dizer “É mulher, mas é inteligente”, estou assegurando, com o uso do mas, que a qualidade de inteligente opõe-se ao termo mulher. Logo, ao acreditar que uma mulher jamais poderia ser inteligente, eu preciso deixar isso bem claro àquele para o qual falo; por outro lado, ao dizer “É Pastor, mas rouba!”, estou assumindo que todos os pastores são bons, ao passo que não faz sentido que eles roubem (como se o fato de pertencer e ocupar um cargo em uma instituição religiosa garantisse ao indivíduo um comportamento ético). Então, suspeito cada vez mais que a existência e a sustentação de estereótipos são baseadas em uma criação imaginária que ganha poder na medida em que se encontra seguidores e discípulos que não pensam – que, cá entre nós, parece não estar em falta. Cada frase que citei (e que já ouvi muito por aí, isso quando não foram dirigidas para mim) renderia explicações bem interessante, mas não farei isso! Creio que você já entendeu o que estou tentando dizer. As frases mudam, o gérmen que existe em cada uma não. Os ambientes nos quais elas circulam podem ser diferentes, a razão pela qual elas ali estão não.

Para finalizar, saiba que esse tal de mas pode passar despercebido inclusive pelas pessoas mais críticas, pois trata-se de um problema estrutural e que reside em sociedades que dão pouca importância ao conteúdo, valorizando a forma mais utilizada que, por conseguinte, geralmente pode ser deturpada. Obviamente que isso jamais servirá de justificativa para que sigamos dizendo coisas impensadas, apenas curtindo o balanço das ondas; pelo contrário, isso deve atuar como um alerta constante, como o sino da Catedral que soa todos os dias com o intuito de nos avisar a hora, ou, aos Domingos, lembrando-nos de que está acontecendo a  missa. Semelhantemente, que as badaladas produzidas por cada frase mal colocada sirva para nos dizer que precisamos rever nossos conceitos – diariamente (não só aos Domingos, Ok?). Fortalecer um anátema não me parece inteligente, tão pouco coerente com os passos de quem busca a sabedoria.

 

#VocêJáParouParaPensar?

 

Andreone T. Medrado
Devaneios Filosóficos